quarta-feira, 15 de março de 2017

Prefeitura lamenta falecimentos de Rosângela Alves e Fátima Rocha

Os falecimentos das ativistas culturais Rosângela Cecília da Silva Alves, fundadora da ONG Quilombinho, uma das mais conhecidas articuladoras do movimento negro de Sorocaba, e de Fátima Rocha, da escola de samba Furiosa Real, ocorridos no domingo (12) causaram comoção entre os membros do secretariado do prefeito José Crespo. Os secretários municipais Werinton Kermes, de Cultura e Turismo, e Cintia de Almeida, de Igualdade e Assistência Social, lamentaram os óbitos e lembraram das contribuições das duas ativistas para o desenvolvimento de ações sociais em nossa cidade.
Cintia destacou a importância de Rosângela para a articulação dos movimentos culturais, sobretudo de valorização da cultura negra, em nossa cidade. “Sentiremos um vazio muito grande em nossos debates e ações daqui para frente, ela era uma pessoa que enriquecia nossas articulações e atividades, tinha luz própria e fará muita falta”, destacou.
 “Rosângela e Fátima nos deixam, curiosamente, ao fim da semana das mulheres. É algo simbólico como foi toda a vida dessas duas mulheres, com muita luta e resistência. Sempre tivemos apoio das duas em tudo que apresentamos de arte e cultura em nossa cidade, além do forte ativismo social em torno das suas atividades”, ressaltou Werinton Kermes.
A vice-prefeita Jaqueline Coutinho também destacou a importância das duas articuladoras para a política local. “Foram mulheres além do seu tempo, com a força e carisma necessários para guiar suas comunidades e organizações. Resta deixar um abraço repleto de carinho para os familiares da Rosângela e da Fátima”, finalizou a vice-prefeita.


Secretário de Cidadania lamenta falecimento de ativista social

O secretário de Cidadania e Participação Popular, Mário Luiz Nogueira Bastos, mostrou-se especialmente resignado pelo falecimento da ativista social e cultural Rosângela Cecília da Silva Alves, fundadora da ONG Quilombinho.
A exemplo da vice-prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho, da secretária de Igualdade e Assistência Social, Cintia de Almeida, e do secretário de Cultura e Turismo, Werinton Kermes, Mário Bastos foi enfático ao apontar que o falecimento de Rosângela deixará um grande vazio na elaboração e implementação de políticas públicas em Sorocaba.
“Rosângela era uma amiga pessoal, estivemos juntos por várias vezes em discussões no campo cultural e na elaboração de mecanismos de assistência social em nossa cidade, sem contar a sua representatividade para o movimento negro da nossa região. Fomos juntos conhecer a Universidade Palmares e vínhamos conversando muito sobre projetos para Sorocaba”, lembrou Bastos.
Secom Sorocaba

Parceiro de Robert Plant, o maestro egípcio Hossam Ramzy se apresenta em Sorocaba


No sábado, o maestro encerra a visita com show na Fundec

Com uma vasta produção musical e trabalhos com artistas como Robert Plant e Jimmy Page - no aclamado álbum No Quarter - Peter Gabriel, Sting, Gipsy Kings, Shakira - no álbum She Wolf - Rick Martin em Life, entre outros, o maestro egípcio Hossam Ramzy está em Sorocaba com sua turnê Belly Dance Renaissance. Durante toda a semana ele ministra curso de imersão em ritmos árabes e, no sábado se apresenta, às 20h, na Fundec. Ainda há ingressos.
Hossam que veio a convite da bailarina Kahina Manelli do Espaço Klarick de Dança e Arte, também tem passagens pelo cinema. Participou das trilhas sonoras de filmes como A última tentação de Cristo,Príncipe da Pérsia, Stargate e Conan, O Bárbaro.
Umas das maiores referências atuais em música oriental, Hossam mora hoje em Londres onde é proprietário da The Drumzy School Of Dance, Rhythm & Music.
Serviço: Os convites para o show que acontece no sábado, na Fundec, podem ser adquiridos na Rua Minas Gerais 282, Centro. Informações:cel/whats: 15 98137-4021
Para imprensa: Interessados em entrevistar o maestro Hossam Ramzy podem entrar em contato com a Kahina, no celular: (15) 98137- 4021

Fotos: Divulgação

quinta-feira, 9 de março de 2017

Voluntariado é tema de exposição fotográfica na Biblioteca Municipal




A Secretaria de Cultura e Turismo de Sorocaba fará a abertura da Exposição Fotográfica “Mulheres que se doam”. A exposição traz um panorama de mulheres que se dedicam ao voluntariado e é resultado do trabalho do fotógrafo Paulo César Ochandio.
A Exposição acontecerá na Biblioteca Municipal no Alto da Boa Vista e será aberta ao público amanhã (10/03) às 19h. Ochandio é um dos fotógrafos mais conhecidos de Sorocaba.
Secom Sorocaba

quarta-feira, 8 de março de 2017

Apresentação de dança mudou rotina de quem passou pelos terminais





Uma ação cultural inusitada marcou a tarde desta quarta-feira (08) para quem passou pelos terminais de ônibus de Sorocaba. Os alunos da Academia Clagma se apresentaram no Terminal Santo Antônio às 14 e, na sequência, seguiram para o Terminal São Paulo para mais uma performance.

A apresentação fez parte das atividades da Secretaria de Cultura e Turismo de Sorocaba para a Semana da Mulher e contou com o apoio da Secretaria de Mobilidade e Acessibilidade.

Segundo o secretário de Cultura, Werinton Kermes, a cultura deve atingir a população em seus locais de ampla circulação. “Inovamos trazendo esse grupo para os terminais e o resultado foi muito positivo”, completou o secretário.

As atividades para a Semana da Mulher prosseguem até sexta-feira (10), dia 10.

Secom Sorocaba

terça-feira, 7 de março de 2017

Peça premiada sobre Frida Khalo será apresentada de graça em Sorocaba na Semana da Mulher


Frida Kahlo segue mobilizando atenções e públicos variados. Dessa vez é um espetáculo baseado na vida e obra da importante artista plástica mexicana que chega à Sorocaba após ter rodado o Brasil e outros países como Alemanha, México, Chile e Itália. A peça faz parte da programação especial da Secretaria de Cultura de Sorocaba para a Semana da Mulher.
Quem traz o espetáculo à cidade é a Companhia Estelar de Teatro, que em seus dez anos de atividades já acumulou prêmios e angaria destaque de público e crítica ao redor do mundo.
Na peça Frida Khalo – Calor e Frio, o ambiente retratado é o México do início do século vinte, recebendo a presença de uma série de intelectuais importantes e estabelecendo uma condição de diálogo e influência artística e política sobre o velho mundo, como nunca havia acontecido. No meio de tudo, a artista Khalo.
A peça mistura elementos artísticos através de uma construção concisa e lírica; música, dança e elementos performáticos convergem para construir a tônica do espetáculo.
A peça, dirigida pela atriz e dramaturga Viviane Dias, ganhou um prêmio da USP (Edital de Difusão e Circulação Internacional da USP) e o Iberscena, em 2013, além de ter sido contemplada pelo PROAC Circulação 2016 do Governo do Estado de São Paulo.
Foi, inclusive, a premiação do PROAC que possibilitou que a Secretaria de Cultura de Sorocaba trouxesse o espetáculo gratuitamente para Sorocaba. A dramaturga Viviane Dias aponta que “vamos percorrer algumas cidades como contrapartida ao PROAC e Sorocaba está entre as primeiras”. A ação faz parte do esforço da equipe da Secretaria de Cultura local em construir um diálogo com os mais importantes dramaturgos contemporâneos e trazer peças de qualidade para a cidade.

Programação de apresentações
A Companhia Estelar de Teatro fará três apresentações na cidade, todas gratuitas. A primeira será na quinta-feira (09/03) no Barracão Cultural, na Avenida Dr. Afonso Vergueiro, 310 – Centro, às 13h30; no mesmo dia, só que às 17h30 na Praça Coronel Fernando Prestes, também no centro, será feita uma intervenção urbana e, finalmente, a última apresentação será na sexta-feira, dia 10, no Teatro Municipal Teotônio Vilella, ao lado da Prefeitura, às 20h00.
As apresentações são gratuitas e quem desejar assistir basta chegar um pouco antes aos locais indicados.
Secom Sorocaba

Obras do Centro de Atendimento ao Turista seguem em ritmo acelerado


As obras para a construção do Centro de Atendimento ao Turista, que irá funcionar numa praça entre a Rua Ana Monteiro de Carvalho e a Avenida Dom Aguirre, no Jardim Santa Rosália, estão em ritmo acelerado. Na manhã desta segunda-feira (06) os trabalhadores da empreiteira responsável pela obra realizam atividades na fundação da futura estrutura.

Com um total de 170,54 metros quadrados e um custo estimado em R$ 369.999,03 oriundos de recursos próprios e financiamento da Caixa Econômica Federal, por meio do Ministério do Turismo, o espaço, que ficará agregado à estrutura da Secretaria de Cultura e Turismo, dará suporte ao fomento do turismo em Sorocaba a partir de informações e orientações aos turistas.

“É importante termos, logo na entrada da cidade, uma estrutura capacitada para dar informações e suporte às pessoas que nos visitam. Isso pode fomentar o comércio e o turismo entre outras frentes. Vamos divulgar o que a cidade tem de bom”, destacou o secretário de Cultura e Turismo de Sorocaba, Werinton Kermes.

A obra tem previsão de finalização e entrega de 180 dias.

Secom Sorocaba


Fotos: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/galeria/obras_centro-de-atendimento-ao-turista/

sábado, 4 de março de 2017

Prefeito entrega troféus às escolas de sambas de Sorocaba



Na tarde desta quarta-feira (01) o prefeito José Crespo recebeu representantes das dez escolas de samba que desfilaram neste ano no Carnaval de rua de Sorocaba. Reunidos no Salão de Vidro do Paço Municipal os sambistas foram agraciados pelo prefeito com os troféus pela sua participação no desfile de rua.
Acompanhado do secretário de Cultura e Turismo, Werinton Kermes, o prefeito frisou a importância do carnaval enquanto elemento artístico e cultural, bem como o seu valor histórico e financeiro. Reconheceu ainda a importância da parceria firmada entre as escolas e a Secretaria de Cultura, o que possibilitou que Sorocaba tivesse uma festa bonita e completa, ainda que sem o repasse de recursos públicos.
 “Muitas cidades cancelaram seus eventos de carnaval devido à crise financeira. Nós conseguimos com poucos recursos fazer quase trinta atividades e levar alegria a um público diversificado, promovendo entretenimento e cultura, resgatando valores”, destacou o secretário. Em Sorocaba o carnaval teve como tema a Família e foi sob essa ótica que a Secretaria de Cultura e Turismo construiu todas as suas ações.  “Só fizemos tudo isso porque o prefeito tem o compromisso e a compreensão de tratar a cultura com respeito e atenção”, ressaltou Kermes.
Já o prefeito apontou que a cultura é algo essencial, representativo das necessidades e da constituição dos povos. “O carnaval não poderia deixar de ser realizado como aconteceu no ano passado, seria inadmissível. Nós vamos manter nos próximos anos a programação dessa festa, levando para o restante do nosso governo a experiência que tivemos em organizar e fazer um evento tão diferente”, reforçou Crespo.
O prefeito ainda apontou que, em momentos de crise, sempre a área da cultura e do esporte são as mais afetadas.  “É preciso romper esse ciclo; temos que tratar todas as áreas e frentes com respeito. Esse foi o carnaval mais familiar e tranquilo que já tivemos na história, o melhor carnaval de todos os tempos”, disse o prefeito aos presentes.
Luizão, da Escola de Samba Gaviões da Fiel, ressaltou que todos estão de parabéns, mas que sem o apoio da Prefeitura e da Secretaria de Cultura, a festa não teria acontecido e Sorocaba teria perdido muito culturalmente.  “Eu sei o que vocês, das demais escolas de samba, passaram, eu sei, pois sofri junto, embora chegando só agora. Estamos todos de parabéns e tenho que agradecer a cada um de vocês, ao secretário de Cultura e ao prefeito”, comentou empolgado.
“Estávamos todos desanimados com o que aconteceu no governo passado, prometeram para mim que, àquela época era o presidente da Liga, e não cumpriram com a obrigação. Nós só queríamos a estrutura, a mesma coisa que fizemos esse ano, não queríamos verbas. Este ano, com Crespo, ele fez, e nós mostramos que era possível e estamos felizes por termos sido reconhecidos. Com o diálogo com o secretário de Cultura é possível já organizarmos um bom carnaval a partir de agora, vai ser um espetáculo em 2.018”, explanou José Carlos dos Santos, o Santão, dos mais conhecidos sambistas sorocabanos, dirigente da escola de samba 28 de Setembro.
O secretário de Cultura ainda justificou que manterá o compromisso assumido com as escolas para começar a planejar o Carnaval de 2018 já a partir dos próximos dias. O carnaval de 2.017 teve um custo estimado em R$ 155.000,00, com a organização de quase trinta atividades; em 2.016 a Prefeitura não realizou atividades, no ano anterior, 2.015. o custo foi de R$ 785.261,00, isso para apenas uma ação, o desfile das escolas.
As escolas participantes foram: Mocidade Independente; Unidos da Zona Norte; Império do Parque das Águas; Carinhosa da Nova Esperança; Planeta Negro; Unidos do Cativeiro; Gaviões da Fiel; Estrela da Vila; Furiosa Real e 28 de Setembro.

Fotos: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/galeria/prefeito-jose-crespo-entrega-trofeus-as-escolas-participantes-do-carnaval-2017/

Secom Sorocaba

Prefeitura levou o carnaval para cinco feiras de Sorocaba





Até mesmo para as feiras livres da cidade a Prefeitura de Sorocaba levou o Carnaval neste ano. Como parte do projeto Feira Viva, a Secretaria de Abastecimento e Nutrição promoveu o Carnaval na Feira, em quatro feiras livres e na Feira do Produtor Rural.

Com membros da bateria da escola de samba Gaviões da Fiel de Sorocaba e a corte do carnaval, os frequentadores e os feirantes se divertiram com o ritmo carnavalesco. Muitos consideraram a novidade bastante inusitada. O secretário de Abastecimento e Nutrição, Alexandre Hugo de Morais, foi conferir o evento na abertura do projeto, que ocorreu feira da Árvore Grande.

As feiras livres que contaram com a atração carnavalesca foram a da Vila Leão, na quinta-feira; a da Árvore Grande, na sexta-feira; a da Vila Santana no sábado e a da Vila Angélica, no domingo. A Feira do Produtor Rural também recebeu o Carnaval na Feira, no sábado.

Secom Sorocaba


sexta-feira, 3 de março de 2017

Cultura promove oficina de fotografia para meninas


A Prefeitura de Sorocaba, por meio de sua Secretaria de Cultura e Turismo, promoverá uma atividade especial com a fotógrafa Camila Fontenele de Miranda, conhecida internacionalmente por seus trabalhos no campo das artes visuais. Camila fará uma oficina de fotografia especial para as mulheres no dia 18 de março, às 11h, no Museu Histórico Sorocabano como parte da contrapartida por ter vencido o Prêmio Flávio Gagliardi Artes Visuais, edição 2016, pela obra 'Me escreva, pai'.
O público alvo da oficina intitulada Conhecendo Composição Fotográfica e Mulheres Artistas é de mulheres entre 15 a 18 anos, a quem a artista deseja transmitir e compartilhar conhecimentos sobre composição fotográfica e referências de mulheres artistas no campo da fotografia. Em comum, entre as artistas que serão citadas por Camila, a arte além do convencional. São apenas vinte vagas e o evento é gratuito.
Com um olhar apurado sobre a participação das mulheres no processo de desenvolvimento artístico contemporâneo e dona de uma sensibilidade aguçada, Camila é hoje uma das novas referências das artes visuais brasileiras.

Como se inscrever
Quem desejar se inscrever deve ter entre 15 e 18 anos, efetuar a pré-inscrição pelo email mhs@sorocaba.sp.gov.br, ou pessoalmente no Museu Histórico Sorocabano, lembrando que são poucas vagas e que podem se esgotar rapidamente.
Cada participante deve levar um caderno para anotações, caneta, celular ou câmera fotográfica. O Museu Histórico Sorocabano fica localizado no Parque Zoológico Municipal "Quinzinho de Barros", na Vila Hortência.

Sobre a artista:

Natural de São Paulo-SP, Camila Fontenele de Miranda é publicitária formada na Universidade de Sorocaba e pós-graduada em Cinema, TV e Vídeo, no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Interessou-se em fotografia através de um workshop na Oficina Cultural Grande Otelo, em 2007. Atuou profissionalmente como fotógrafa e como publicitária.
Hoje, com apenas 26 anos de idade, Camila já percorreu quatro estados do Brasil (SP, RJ, MG e ES) com seu grande projeto fotográfico (entre exposições e intervenções) 'Todos Podem Ser Frida' e internacionalmente em Caserta (Itália), Londres (Inglaterra) e Léon (México).
Possui publicações em grandes meios de comunicação nacionais e internacionais como: G1, Estadão, Folha de SP, TV Brasil, TV Cultura, Exibart, Positano News, TPI, El País, Wish Magazine, Quartz, Fubiz, Bored Panda, Huffpost Art & Culture, entre outros.
Em maio de 2013, Camila Fontenele recebeu da ABART o Mérito Artístico Cultural no grau de artista fotográfica pela produção do 'Todos Podem Ser Frida'. Em agosto de 2016 ganhou, na categoria fotografia, o Prêmio Flávio Gagliardi Artes visuais pela obra 'Me escreva, pai', promovido pela Secretaria de Cultura da Prefeitura de Sorocaba/SP.

Secom Sorocaba

quinta-feira, 2 de março de 2017

CEU das Artes divulga agenda de atividades

Secom Sorocaba

O Centro de Artes e Esportes Unificados – Ceu das Artes - do Parque das Laranjeiras, está com uma série de atividades abertas à população. São cursos e aulas que acontecem de segunda a sábado, e podem ser frequentadas gratuitamente por moradores do bairro ou de outras regiões da cidade.

Para informações e inscrições os interessados podem procurar por Flávia ou Carlos na Administração do Ceu das 8h às 16h45, de segunda a sexta-feira.

O Ceu das Artes Laranjeiras fica na rua Washington Pensa , 969 – Fone: 3239-3867

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Mesmo sem verba, Carnaval tem aprovação do público


A chuva que caiu no início da noite de domingo não desanimou o público que compareceu ao desfile das Escolas de Samba de Sorocaba. O Parque das Águas recebeu os foliões que acompanharam o desfile das agremiações no domingo, e a recepção foi positiva. “Gostei do desfile, as escolas estavam animadas”, conta a dona-de-casa Ijanete Cruz. Ela que todo o ano acompanha os desfiles reforçou que o “espírito” carnavalesco prevaleceu nos foliões, mesmo com a chuva.
Para o estudante Guilherme Santos Cardoso, a noite foi boa, pois conseguiu assistir aos desfiles das escolas, principalmente de sua escola do coração, a Estrela da Vila. Estava tudo muito bonito e as pessoas estavam curtindo o som”, comenta ele, que também acompanha os ensaios da escola no decorrer do ano.
Para a comerciante Maria Aparecida de Freitas, a estrutura das arquibancadas fez falta, principalmente por conta da chuva, mas a alegria das agremiações fez a diferença. “Parece que eles estão com mais garra”, disse, ao lembrar que as escolas não contaram com verba pública para fazer o Carnaval.
Os dirigentes das agremiações reforçaram que a verba faz falta, mas alegaram que a estrutura disponível e a possibilidade de saírem já foi um avanço, se comparado ao ano passado, quando nem puderem desfilar.
Bruno Braga Silva, da Estrela da Vila, conta que colocaram na rua o Carnaval preparado para o ano passado. “Ficamos com o tema guardado, esperando a possibilidade”, conta ele que levou a cultura nordestina à avenida. Já a 28 de Setembro trabalhou desde abril do ano passado e apresentou o resultado ontem. De acordo com Regina Santos, presidente da agremiação, o fato de poder desfilar já foi um ganho se comparado com o ano passado, quando não desfilaram e tiveram que se apresentar nas cidades vizinhas. “Não colocamos o que queríamos na rua, mas nos falaram que o ano que vem vai ser diferente”.
De acordo com o secretário de Cultura, Weriton Kermes, o Carnaval 2018 começa a ser pensado logo agora, no término do Carnaval 2017, e a Prefeitura está em conversa com as escolas para que esse processo seja o melhor possível. “O Carnaval 2018 já  começa agora e o resultado a comunidade vai sentir no ano que vem, no desfile das escolas”, afirma.

ANRMS

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Final de semana tem mais Carnaval na Feira



Dentro da programação Carnaval da Família da Prefeitura de Sorocaba, neste sábado (25) e domingo (26) tem mais Carnaval na Feira. A presença da corte do carnaval sorocabano com a bateria da escola Gaviões da Fiel será das 10h às 11h, na feira livre da Vila Santana e no domingo (26), na feira da Vila Angélica, respectivamente. A programação é promovida por meio da Secretaria de Abastecimento e Nutrição que possui o projeto Feira Viva, e da Secretaria de Cultura e Turismo.

Nesta sexta-feira (24) a bateria da Escola de Samba Gaviões da Fiel animou as pessoas que aproveitaram a manhã para ir para a feira da Árvore Grande. Com cerca de vinte componentes os Gaviões percorreram aproximadamente quinhentos metros da feira tocando seus instrumentos, parando em barracas e chamando o povo para o samba. A recepção entre os feirantes e consumidores foi extremamente positiva.

Conforme Alexandre Hugo de Moraes, secretário de Abastecimento e Nutrição de Sorocaba, as feiras são espaços vivos da nossa cidade, devem, a exemplo do que já ocorreu no Mercado Distrital e no Municipal, passar a receber atividades de cultura.

Essa atividade fez parte das ações do Carnaval 2017 da Prefeitura de Sorocaba, organizado pela Secretaria de Cultura, em parceria com outras secretarias. As atividades em feiras livres da cidade estão sendo feitas em parceria entre a Cultura e a Secretaria de Abastecimento e Nutrição.

Alegria contagiou

Na quinta-feira (23), o grupo carnavalesco animou feirantes e consumidores da feira livre da Vila Leão por cerca de uma hora, a partir das 10h. E o público aprovou. Alguns inclusive arriscavam uns passos e teve até uma consumidora que saiu caminhando em marchinha, balançando uma vassoura que tinha acabado de comprar.

A professora Cristiane de Oliveira Correa, 32 anos, estava com um grupo de 30 alunos da oitava série do ensino fundamental fazendo uma atividade sobre alimentação saudável, quando ouviu a música carnavalesca. A menina de 13 anos não conteve a alegria e mesmo a professora mexeu o esqueleto ao ritmo da bateria carnavalesca. “Adorei! Acho que vamos até montar o boco da Escola Mundo Novo”, declarou.

A secretária Simone Martinez, 49 anos, parou para admirar a folia. Contou que é frequentadora assídua daquela feira e achou muito diferente a Prefeitura ter levado o carnaval para aquele espaço. “Foi uma surpresa, inovador, é uma atração a mais”, opinou. Veronice Lucas, 51, que trabalha com serviços gerais nas imediações tinha ido à feira e também gostou muito da atração. “Bastante divertido. Gosto do Carnaval e costumo acompanhar os desfiles. É uma novidade muito legal”, declarou.


Fotos na agência - http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/galeria/seculturseaban_-programa-feira-viva-2/

 Secom Sorocaba

Projeto ‘De olho no som’ será retomado a partir de amanhã








Importante palco para os músicos nos anos 1990, o projeto acontece no Teatro de Arena

Referência para os músicos de Sorocaba e Região na década de 1990, o projeto De olho no som será resgatado e estreia amanhã, sábado, dentro da programação de Carnaval da Secretaria de Cultura de Sorocaba. Das 15h às 21h as bandas Bit Beat Bite Bright, Nôva, Fones, Valverine, Incesto Andar e Cacá Barros sobem ao palco do Teatro de Arena, que fica no Paço Municipal. A entrada é gratuita.
A ideia em resgatar o De olho no som também é trazer para atividade o teatro, espaço público que é pouco utilizado, explica o secretário de Cultura, Werinton Kermes. “O teatro tem sido esquecido e as ações culturais têm ocorrido em outros espaços, ignorando a potencialidade do Teatro de Arena. No momento em que falamos de ocupar espaços público, nada mais justo que retomá-lo, e assim, toda a história da cidade que já passou por lá, além de começar novas outras com os artistas que temos aqui”, defende o secretário.
De acordo com Kermes, o projeto continuará se chamando De olho no som e ocorrerá mensalmente, no Teatro de Arena. O secretário não adiantou quem ficará responsável pelo projeto e como será feita a escolha das bandas que participarão, mas adiantou que o evento será uma mostra e não um festival competitivo. “Resgatar esse projeto que foi tão importante é uma forma de dar mais visibilidade para a produção musical local”, defendeu.
Referência cultural
A ideia foi bem acolhida pela classe artística, principalmente os músicos, que defendem mais espaços para apresentações. “É importante ativar o espaço, nesse momento em que a cultura está sendo tratada em segundo plano. Os músicos têm andado dispersos, correndo atrás de mercado, tocando em bar... Retomar esse projeto é fundamental para a história da cidade, e cria referências”, falou o historiador e músico, Maurício Toco.
Toco não chegou a se apresentar no projeto, mas se recorda da época, início da década de 1990, e da diversidade de bandas que passaram pelo De olho no som. “Tinha de blues a metal”, explicou sobre os gêneros musicais apresentados.
Marcos Boi, que à época se apresentou com o Mah Companhias Blues (com Márcia Mah e Álvaro Mestre Ramos), conta que a mostra, dava um panorama real do que estava sendo feito e qual era a produção local em termos de bandas e artistas da música. “Então o retorno (do projeto) seria um resgate ótimo, de algo que realmente fez a diferença e servia também como um ‘mapa’ da produção local”.
História
O De olho no som foi um projeto de Celso Magrão, executado no início dos anos 1990. Com conta Márcia Mah, que participou do evento, como não havia muito espaço para os músicos, o projeto acabou tendo muita repercussão e público.
A ideia de Magrão, explica, partiu de um outro projeto na cidade, o Olho da rua, que Magrão participava ao lado de Márcia Mah, Álvaro Mestre Ramos, Zé Bocca, entre outros... Como o Olho da rua era uma trupe mais teatral, Magrão teve a ideia de fazer o De olho no som como quase uma extensão, mas com foco na música.  “E a ideia do nome do projeto foi do Álvaro Mestre Ramos”.
Para a cantora, é muito boa a notícia do resgate do projeto pela abrangência de estilos que ele proporciona e, principalmente, por trazer à vida o teatro, que leva o nome de Carlos Roberto Mantovani, um dos principais ativistas culturais de Sorocaba.
Entre as muitas bandas que passaram pelo De olho no som estão: Metraton, Jasmin, Madeira Podre, Rayban, The End, Anjos Indomáveis, Heroína, Proletários Punk Rock, Terceira Dimensão, Hipocrisia, Lispector, Juca Filho e Ênio do Ó, Specter Sound, Maurício Rezzani, Lã de Vidro, Psychotic Terror, The Boche Boys, Os Coisa, Alquimia, Anarcólatra, Estado de Putrefação, Eletronarcose, Latitude Zero, Helô Mora, Adausbleustous Ausbliustous, Ramal 4, Filtro, O Clã, Carne de Pescoço, Efeito Moral, Overnoise, Álvaro Ramos, Netas da Demência, Maurício e Banda, Atitude e Progresso, Head Feeling, Ednilson Laluc e Banda, Função Eclética, Long Size Dream, Lelo Praxedes e Cia, Expontânea Vontade, Plebiscito, Dissidentes...entre outras.

Sobre as bandas que se apresentam amanhã:

15h - Bit Beat Bite Bright: a Bit Beat Bite Bright é formada por Iuri Griga (guitarra e vocal), João Vitor Nunes (baixo) e Bruno Kalach (bateria). Bit Beat Bite Bright
16h – Nôva: banda sorocabana de metal Nôva surgiu em 2012  e é formada por Fernando Xavier no vocal, Filipe Delbel e Gustavo Kussuki nas guitarras, Felipe Schmidt no baixo e o baterista
 17h – Fones: a Fones é uma banda de garage-rock formada na zona industrial de Sorocaba/SP, com influências do punk rock e de música underground brasileira. É formada por Renan Pereyra (guitarra/vocal), Paulo Augusto (baixo) e Jefferson Viteri (bateria).
18h – Valveline:  formada no início de 2011 em Sorocaba/SP, a banda é composta por Heitor Rosa (vocal), Marcelo Betti (Guitarra), Gabriel Gama (baixo) e Diego Antunes (bateria).
19h - Incesto Andar: natural de Sorocaba a banda é formada atualmente por Ariel Machado (guitarra/voz), João Maresia (guitarra/voz), Igor Machado (baixo) e Jefferson Viteri (bateria).
20h -  Cacá Barros: Considerado um dos principais nomes da nova geração da guitarra brasileira, Cacá Barros iniciou sua carreira em concursos de música instrumental. Em 2017, o músico apresenta o seu primeiro álbum, “Adrenaline”, com nove faixas que serão apresentadas ao público no decorrer do ano.

ANRMS

Falta pouco para o desfile das escolas de samba de Sorocaba

O palco do samba do Carnaval de Sorocaba nesse ano será o Parque das Águas. O espaço foi preparado pela Prefeitura para receber, no domingo, (26), a partir das 17h, o desfile das escolas de samba que terão, cada uma, trinta minutos e quinhentos metros para demonstrar ao público a sua evolução pela avenida.

Dessa vez o desfile não será classificatório, todas as escolas receberão um troféu pela sua participação. “Temos que agradecer o espírito de colaboração dessas escolas, todas se propuseram a desfilar ainda que o poder público não tenha investido recursos financeiros de forma direta, como em anos anteriores e estão sendo parceiros essenciais”, apontou o secretário de Cultura Werinton Kermes. Ainda conforme Kermes são dez as ganhadoras desse ano. “Todas as escolas se comprometeram a resgatar o espírito dos carnavais tradicionais e, mesmo com toda a dificuldade financeira, vão participar do desfile” frisou.

Algumas escolas irão desfilar com sambas enredos originais e outras aproveitarão sambas de outros carnavais.


Escolas participantes

As escolas participantes serão – por ordem de apresentação – a Mocidade Independente; Unidos da Zona Norte; Império do Parque das Águas; Carinhosa do Nova Esperança; Planeta Negro; Unidos do Cativeiro; Gaviões da Fiel; Estrela da Vila; Furiosa Real e a 28 de Setembro.

Este ano não serão montadas arquibancadas na avenida. A Prefeitura, através da Secretaria de Cultura, irá instalar gradis no transcurso do desfile para isolar a área. O público poderá se acomodar nas laterais da passarela. Diversas secretarias e organismos públicos estão dando suporte para a atividade, que contará com o apoio da Guarda Civil Municipal (GCM) e da Polícia Militar, ambulâncias para emergências médicas, viaturas da fiscalização, conselho tutelar e Urbes, entre outras.

 Secom Sorocaba

Baile no Lar São Vicente resgata as marchinhas de antigamente



Nesta sexta-feira (24), o Lar São Vicente de Paulo recebeu a Corte do Carnaval de Sorocaba e entrou no clima de festa com as velhas marchinhas dos anos 30, 40 e 50. Os moradores do Lar, alguns familiares e funcionários tiveram a oportunidade de cantar e se divertir junto com a animada equipe da Secretaria de Cultura de Sorocaba, responsável pelo Carnaval da Prefeitura de Sorocaba.

Werinton Kermes, secretário de Cultura, fez questão de ressaltar que as atividades do Carnaval desse ano valorizaram o resgate cultural dos carnavais de antigamente. “Antes era assim, com essa festa mais simples e inocente, sem a preocupação mercadológica que tomou conta das datas festivas em geral”, lembrou.

Animação e alegria fazem baile de Carnaval da melhor idade



Carnaval é sinônimo de animação e alegria, não importa a idade, o importante é dançar e curtir a folia. Foi assim que o grupo da Melhor Idade de Sorocaba participou do Baile de Carnaval na tarde dessa sexta feira (24) no Parque dos Espanhóis.

Organizado pela Secretaria de Cultura e Turismo, o baile de carnaval trouxe de volta as tradicionais marchinhas de carnaval.

Com muito confete e serpentina os participantes dançaram e se divertiram acompanhados do Rei Momo e Rainha do carnaval 2017. Onélia Montanhokli da Rocha, no auge dos seus 78 anos, era uma das mais animadas e divertidas no salão. “Agradeço a Deus pela alegria e saúde, já sofri muito no trabalho na roça, depois que fiquei idosa comecei dançar, quero me divertir e dançar muito, até participo de academia de dança”, comentou. Quem também estava entusiasmado era João Rufino, de 72. “Carnaval é bom para dançar bastante e arrumar uma namorada, sempre venho fantasiado”, comentou irreverente.

Alegrando a festa e puxando as danças meio do salão, o Rei Momo Diego Amantino, destacou que ser bom demais ver a felicidade dos idosos. Para a Rainha do Carnaval Aline Soares, participar do Carnaval da Melhor Idade é um aprendizado pra todos os jovens. “É bom para gente ver como a vida é boa e importante pra eles se entrosarem e se alegrarem”, reforçou.

Na tarde de terça-feira (28) acontecerá novamente no Parque dos Espanhóis a Matinê de Carnaval, para crianças e adultos que queiram se divertir com as marchinhas e oficina de máscaras, das 13 às 18h.

FOTOS: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/galeria/carnaval-da-melhor-idade/

Secom Sorocaba

28 de Setembro agita o centro de Sorocaba



Integrantes da escola de samba 28 de setembro animaram a manhã de hoje (24) dos comerciantes e pessoas que passaram pelo centro de Sorocaba. A bateria da tradicional escola fez um ensaio aberto em plena Praça Coronel Fernando Prestes, no coração da cidade.

Demonstrando sincronia e muita qualidade, os sambistas despertaram a curiosidade das pessoas que estavam passando e muitos foram os que pararam para fotografar ou filmar o ensaio aberto.

A ação fez parte das atividades do Carnaval 2017 promovido pela Secretaria de Cultura de Sorocaba

Secom Sorocaba

Fotos em: http://agencia.sorocaba.sp.gov.br/galeria/secultur_-carnaval-na-praca-cel-fernando-prestes/




Tudo pronto para o Desfile das Escolas de Samba


Está tudo preparado para o desfile das escolas de samba do Carnaval de Sorocaba. O desfile deste ano acontecerá no domingo, dia 26, a partir das 17h, no Parque das Águas. Com dez escolas participantes, cada uma com, no mínimo, 150 foliões, a tendência é que seja um Carnaval em que transpareça a criatividade e o espírito performático de cada agremiação.

Outra novidade: não haverá avaliação e premiação das escolas de samba neste ano. Cada escola que se apresentar receberá um troféu pela participação sem que um vencedor seja formalmente declarado. Conforme o secretário de Cultura e Turismo, Werinton Kermes, são dez as ganhadoras desse ano. “Todas as escolas que se comprometeram a resgatar o espírito dos carnavais tradicionais e que, mesmo com toda a dificuldade financeira, vão participar do desfile”, reforça o secretário.

Algumas escolas irão desfilar com sambas enredos originais e outras aproveitarão sambas de outros carnavais.

As escolas participantes serão – por ordem de apresentação - a Mocidade Independente; Unidos da Zona Norte; Império do Parque das Águas; Carinhosa do Nova Esperança; Planeta Negro; Unidos do Cativeiro; Gaviões da Fiel; Estrela da Vila; Furiosa Real e a 28 de Setembro. Cada escola terá trinta minutos para se apresentar nos cerca de 500 metros de passarela.

Este ano não serão montadas arquibancadas na avenida. A Prefeitura, através da Secretaria de Cultura, irá instalar gradis no transcurso do desfile para isolar a área. O público poderá se acomodar nas laterais da passarela. Diversas secretarias e organismos públicos estão dando suporte para a atividade, que contará com o apoio da Guarda Civil Municipal (GCM) e da Polícia Militar, ambulâncias para emergências médicas, viaturas da fiscalização, conselho tutelar e Urbes, entre outras.

Secom Sorocaba

Secult leva contação de histórias ao Gpaci



Na manhã desta quinta-feira, 23/2, a Secretaria da Cultura de Sorocaba levou a alegria da festa mais popular do mundo até as crianças do Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil – Gpaci. O evento “Carnaval sem Fronteiras” reuniu os pacientes e suas famílias em atividades e brincadeiras com a presença de contadores de histórias, uma forma simples de marcar a data e contribuir de forma leve e divertida com o tratamento.
“A internação é sempre um momento de sofrimento e apreensão, e um gesto de solidariedade como esse faz toda a diferença para os nossos pacientes, as suas famílias e até para a nossa equipe. Quando a gente esquece um pouco a dor, o dia fica mais tranquilo e feliz”, conta Ricardo Diacov, administrador hospitalar do Gpaci.
O “Carnaval sem Fronteiras” integra uma extensa programação da Secretaria da Cultura de Sorocaba para estes dias de festa. Confira todas as atrações em http://cultura.sorocaba.sp.gov.br/

Secom Sorocaba

Carnaval sorocabano é tema de exposição que traz fotos inéditas de Rogich Vieira

Exposição, que abre amanhã, conta com 40 fotos do acervo do artista das décadas de 1950 e 60




Quarenta imagens inéditas do fotógrafo Rogich Vieira estão na exposição que abre amanhã, sexta-feira, na Biblioteca Municipal de Sorocaba (Alto da Boa Vista). As fotografias registram os carnavais em Sorocaba entre as décadas de 1950 a 1960 e fazem parte do acervo doado pelo artista ao Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba (IHGGS). O evento faz parte da programação de Carnaval do município.

De acordo com o diretor da Biblioteca Infantil, Rubens Incao – também responsável pela seleção das imagens e profundo conhecedor da obra de Rogich – o público irá conhecer mais do que a festa do Carnaval, mas o contexto histórico que marca o momento em que os registros foram feitos: Sorocaba nos anos de 1956 a 1963. “Tentamos fazer um panorama de como era o Carnaval no clube, nas ruas, as fantasias...”, descata Incao, lembrando que o trabalho foi realizado em parceria com o diretor da Biblioteca Municipal de Sorocaba, Gilberto Camargo Antunes.

Nestas fotografias, além de confetes, serpentinas e a alegria típica das folias momescas, há imagens que dimensionam bem como era à época: os Corsos, que eram os desfiles em carros abertos, e a utilização indiscriminada do Lança-perfume são momentos curiosos registrados pela lente de Rogich.

Para aguçar a curiosidade do público Incao adianta que, na época do Corso, como poucos possuíam carro conversível, a criatividade aflorava e muitos utilizavam caminhões e outros automotivos com carroceria aberta levar a família ao desfile. Esse contraste consta na exposição, bem como imagens que, se feitas hoje poderiam ser penalizadas, pois mostram adultos e até crianças portando Lança-perfume. “O público também vai gostar de ver as fantasias, a simplicidade e a beleza delas”, fala Incao lembrando que, há mais de três décadas de trabalho não se recorda de alguma exposição ter trazido esses registros de Rogich à público, por isso a singularidade do evento.

Para o secretário de cultura do município e também fotógrafo, Werinton Kermes, essa é uma oportunidade de a população conhecer tanto as folias de outros carnavais, como se atentar ao olhar sensível e presente de Rogich, um grande inspirador de Kermes. “Não tem como falar de fotografia sem associá-la a um registro histórico, e não há como falar desse registro em Sorocaba sem mencionar o trabalho incansável, preciso e generoso de Rogich”.

Memória preservada

Incao destaca a importância do trabalho de Rogich, que mais do que fotógrafo foi pesquisador e cronista. Além de retratar a cidade nos mais diversos eventos, dos religiosos aos pagãos, teve a generosidade de, antes de morrer, em 2001, doar seus acervos para instituições locais. Isso, reforça, garantiu a existência desses registros e à acessibilidade deles à população. “É muito importante que as pessoas conheçam e saibam que existiu Rogich Vieira, cuja generosidade de reunir muito material e doá-los nos possibilita conhecer melhor nossa cidade e aspectos de como era nosso Carnaval, não apenas como festa, mas como acontecimento social nesse registro histórico da época”, elogia.

Rogich Vieira

Como conta Incao, Rogich nasceu em Sorocaba, se tornou foto repórter e registrou em mais de 20 anos eventos sociais e cívicos da cidade. Ingressou na Academia da Polícia Militar, como repórter fotográfico criminalista e foi grande companheiro de Aluísio de Almeida, que passava a ele seus manuscritos, que ele datilografa e mandava para os jornais. A partir disso passa a colecionar esses textos e pesquisar a história, atuando ainda como repórter criminal.

Pela paixão pela pesquisa, caligrafia, foi responsável em organizar o Museu de Criminalística da Academia de Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Também ministrou muitos cursos e atuou como cronista, e mantinha a coluna Um dia como hoje, no jornal Cruzeiro do Sul, onde sempre destacava uma efeméride ligada à história de Sorocaba.
Rogich ainda é autor de vários romances inéditos e já publicados, como A Princesa dos Tropeiros, eIguatemi, a Maldita. Publicou ainda o livro Sorocaba Não Esperou o 13 de Maio, que narra a libertação de todos os escravos da cidade em 1887, um ano antes da Lei Áurea. Também foi fundador do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba (IHGGS), onde, dentre outras coisas, participou da formação do Museu da Imagem e do Som de Sorocaba, para o qual doou 200 mil negativos de seu acervo particular, que abrangem trinta anos de história da cidade. Foi pesquisador paleográfico do Museu Histórico Sorocabano e titular da cadeira D"Abreu Medeiros da Academia Sorocabana de Letras desde 1980.

Serviço: A exposição abre ao público na sexta-feira e segue na Biblioteca Municipal das 8h às 17h. A entrada é gratuita. A Biblioteca fica na rua Ministro Coqueijo Costa, 180, Alto da Boa Vista.


 ANRMS


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Biografia de Clementina de Jesus é lançada em Sorocaba

      Jornal Cruzeiro do Sul

 Biografia de Clementina de Jesus é lançada em Sorocaba 
- GOOGLE COMMONS

Dentro da programação de Carnaval da Prefeitura de Sorocaba, será lançada hoje, às 20h, uma biografia da cantora Clementina de Jesus, de autoria dos jornalistas Felipe Castro, Janaína Marquesini, Raquel Munhoz e Luana Costa, formados pela Universidade Metodista de São Paulo. O evento, que ocorre no clube 28 de Setembro (rua Machado de Assis, 112) com entrada gratuita, contará com show de Márcia Mah apresentando o repertório de Clementina.
 
A biografia Quelé, a voz da cor percorre desde a infância pobre da artista em Valença, no interior do Rio de Janeiro, até o momento em que desponta para a carreira artística, já passados mais de 60 anos de vida. "Ela era neta de escravos, negra, empregada doméstica e lançada artisticamente aos 63 anos de idade. Mais do que isso, ela contrariava o padrão estético e até artístico que dominava sobre as cantoras brasileiras, a imensa maioria delas com canto suave, soprano, enquanto a Clementina tinha o canto contralto, voz rouca, forte, algo muito diferente, muito ancestral", conta Janaína.
 
Com as pesquisas, os jornalistas descobriram que Clementina de Jesus cantava coisas que levava na memória, cantos que ela ouvia quando era garota. "Sabia de cor inúmeras cantigas de trabalho, curimas e lundus, cantos ancestrais que levava consigo", comenta Janaína. Os jornalistas também levantaram que, depois de famosa, Quelé cantou e gravou com alguns dos maiores artistas brasileiros: Cartola, Pixinguinha, Paulinho da Viola, Milton Nascimento, João Bosco, Clara Nunes e Martinho da Vila, entre tantos outros. "Isso tudo evidencia que a história de Clementina é riquíssima, ela enquanto mulher, negra, sambista, representa um Brasil profundo, um Brasil do povo que não é comumente representado nos veículos de comunicação."
 
A descoberta
 
"O momento de Clementina foi aquele, surpreendendo todo mundo, já uma pessoa com mais de 60 anos de idade, fazendo sucesso. Não conheço ninguém que tenha feito isso, mas o que gostaria mesmo é que Clementina tivesse sido descoberta há mais tempo". As palavras são do poeta Hermínio Bello de Carvalho, que lançou a cantora Clementina de Jesus, no espetáculo Rosa de ouro, em 1965. O produtor conta que, naquela época, encontrou Clementina cantando em uma taberna, em um momento de descontração. Até então, ela trabalhava como empregada doméstica de uma família no Rio de Janeiro.
 
Guardiã e herdeira da cultura musical afro-brasileira, dona de uma voz potente, Clementina gravou 12 discos de sucesso nos tempos da bossa nova e o do iê-iê-iê. Esteve em programas de TV, rádios, fez show pelo País e fora dele. Na França, cantou no Festival de Cannes e, no Senegal, teve de voltar ao palco quatro vezes, muito aplaudida. O jornalista Sérgio Cabral, que testemunhou a cena, no Festival Internacional de Arte Negra, relembra que as pessoas queriam tocá-la.
 
Filha da primeira geração de descendentes de africanos libertados da escravidão, Clementina desde pequena ouvia a mãe cantar saberes ancestrais da cultura banto enquanto lavava roupas. O pai, um grande violeiro e capoeirista, completava a formação musical da filha.
 
Clementina, ou Quelé, apelido que ganhou na infância, cantou desde pequena, na igreja, em festas religiosas, onde chegou a treinar pastoras, na casa das tias do samba, já no Rio, e nos corsos que deram origem às escolas de samba. Foi portelense, antes de entrar na Mangueira para nunca mais sair, por causa do amor ao marido que lhe acompanhou por 30 anos.
 
Este ano, 2017, a morte da cantora completa três décadas e em fevereiro, se viva, ela teria completado 116 anos.
 
Todas essas histórias em mais detalhes sobre os bastidores do mundo do samba entre 1960 e 1987 são apresentadas no livro Quelé, a voz da cor - biografia de Clementina de Jesus. A pesquisa sobre a artista começou com um trabalho de conclusão de curso na faculdade e depois de muitas idas e vindas ao Rio -- um esforço de pesquisa que levou seis anos-- terminou em uma publicação de 363 páginas, incluindo vasta bibliografia e índice onomástico, pela editora Civilização Brasileira.
 
"A turma que fez este trabalho não escreveu apenas uma biografia", diz, em um trecho da orelha do livro, o escritor e historiador Luiz Antonio Simas. "O que estas páginas apresentam é um relato fundamental para se contar a história da nossa música e dos saberes africanos redimensionados no Brasil", completa um dos principais estudiosos da cultura do samba.
 
O acervo do jornalista e agora Secretário da Cultura de Sorocaba, Werinton Kermes (que inclusive tem um documentário sobre Clementina), foi uma das referências para o livro. "O lançamento do documentário do Werinton, marca, em nossa opinião, um processo de resgate da cultura popular por meio da memória de Clementina de Jesus em Sorocaba. Por conta disso, não poderíamos deixar de fazer um lançamento na cidade", reforça Janaína.
 
Clementina de Jesus terminou a carreira aos 86 anos, depois das gravações de Cantos escravos, em 1982, junto com outros músicos. Apesar da fama, morreu pobre como tantos artistas negros importantes para à música brasileira, como Pinxiguinha e Heitor dos Prazeres. (Com informações da Agência de Notícias RMS e da Agência Brasil)

http://www.jornalcruzeiro.com.br/materia/767045/biografia-de-clementina-de-jesus-e-lancada-em-sorocaba

Oficina de Máscaras na Biblioteca Infantil anima Carnaval das crianças



A Biblioteca Infantil esteve agitada na tarde desta terça-feira (21). Muitas crianças participaram das atividades da Oficina de Dobraduras de máscaras de Carnaval com temática de animais que ocorreu naquele espaço. Fazendo máscaras de coelhinhos, quase dez crianças estavam se divertindo e interagindo umas com as outras e curtindo o Carnaval de uma forma alegre e inocente. Gilberto Antunes, da Secretaria de Cultura e José Rubens Incao Filho, historiador e responsável pela Biblioteca Infantil, acompanharam atentamente a atividade.

Secom Sorocaba

Márcia Mah canta Clementina de Jesus

O lançamento do livro “Quelé, a cor da voz” que contará com show de Márcia Mah acontece na quarta-feira, dia 22, na Sociedade Cultural e Beneficente 28 de Setembro. A entrada é gratuita e o 28 de Setembro fica na rua Machado de Assis, 112, Centro.

Biografia de Clementina de Jesus é lançada em Sorocaba
Obra foi baseada em trabalho do jornalista sorocabano Werinton Kermes, que fez documentário sobre a artista em 2011
Não por acaso Sorocaba recebe nesta quarta-feira (22), o lançamento do livo Quelé, a Voz da Cor, de autoria dos jornalistas Felipe Castro, Janaína Marquesini, Raquel Munhoz e Luana Costa. Ainda no início do processo de pesquisa sobre o tema, foi o acervo do jornalista e agora Secretário da Cultura de Sorocaba, Werinton Kermes, que alicerçou o rumo do trabalho do quarteto carioca. Como conta Janaína Marquesini, o acervo de Kermes – que lançou em 2011 o documentário Rainha Quelé - foi um dos primeiros materiais sobre Clementina de Jesus que eles tiveram acesso e serviu de base para a obra. “O lançamento do documentário do Werinton, marca, em nossa opinião, um processo de resgate de cultura popular por meio da memória de Clementina de Jesus em Sorocaba. Por conta disso, não poderíamos deixar de fazer um lançamento na cidade”, reforça Janaína.
O lançamento acontece nesta quarta, às 20h, no clube 28 de Setembro, e a entrada é gratuita. O evento, que terá também Márcia Mah apresentando o repertório de Clementina, faz parte da programação de Carnaval do município.
Kermes, também pesquisador e apaixonado pela história de Clementina, enfatiza a importância do trabalho dos jornalistas e a qualidade da obra, cujo resultado avançou para descobertas importantes da vida da sambista de voz rouca e forte. “É sempre importante desvendar histórias de artistas como Quelé. Mais do que isso, trazer à luz a biografia dessa negra, pobre, empregada doméstica, cuja bagagem remete à nossa ancestralidade”, defende Kermes.

Biografia
A biografia escrita – uma das mais completas sobre a sambista – percorre desde a infância pobre em Valença, no interior do Rio de Janeiro, até o momento em que desponta para a carreira artística, já passados mais de 60 anos de vida.
Como conta Janaína, ainda na época da faculdade os amigos deram início à pesquisa e, ao se deparar com tanta história ainda a ser esmiuçada e contada, tomaram fôlego para levantar esse material mais completo. “Ela era neta de escravos, negra, empregada doméstica e lançada artisticamente aos 63 anos de idade. Mais do que isso, ela contrariava o padrão estético e até artístico que dominava sobre as cantoras brasileiras, a imensa maioria delas com canto suave, soprano, enquanto a Clementina tinha o canto contralto, voz rouca, forte, algo muito diferente, muito ancestral. Isso tudo, por si só, já renderia uma grande história. Mas a gente foi além e descobriu muitas outras coisas interessantes a respeito”.
Com as pesquisas descobriram que Clementina de Jesus cantava coisas que levava na memória, cantos que ela ouvia quando era garota “sabia de cor inúmeras cantigas de trabalho, curimas e lundus, cantos ancestrais que levava consigo”. Também levantaram que, depois de famosa, Quelé cantou e gravou com alguns dos maiores artistas brasileiros: Cartola, Pixinguinha, Paulinho da Viola, Milton Nascimento, João Bosco, Clara Nunes e Martinho da Vila, entre tantos outros. “Isso tudo evidencia que a história de Clementina é riquíssima, ela enquanto mulher, negra, sambista. Representa um Brasil profundo, um Brasil do povo que não é comumente representado nos veículos de comunicação”.

Mais pesquisas
Mesmo com descobertas importantes, o quarteto reforça que as pesquisas não findam com o lançamento do livro, e ainda há fatos que querem esclarecer e aperfeiçoar, como a localização da família para a qual Quelé trabalhou durante mais de duas décadas no Grajaú, zona norte do Rio, além de esclarecer uma informação que chegou após a publicação, de que: Clementina se envolveu no fim da vida com uma escola de samba de Rio Claro, a Voz do Morro. “Um detalhe insólito que com certeza vamos buscar aprofundar para incluir em edições futuras da biografia. Isso e também as novas descobertas. Estamos atentos”, afirma Janaína.

Homenagem musical
Além do trabalho dos jornalistas sobre a figura de Quelé, o público também poderá conferir o resultado da pesquisa da cantora sorocabana Marcia Mah - que há anos se debruça sobre os cantos de lutas da América Latina - e irá visitar o repertório de Clementina. “O repertório dela fala de liberdade, trabalho, natureza, sua voz carrega uma ancestralidade que nos identifica, nesse sentido é uma fonte inesgotável de conhecimento da cultura popular e da beleza poética”, defende a artista que garante um show inspirador.

Serviço
O lançamento do livro “Quelé, a cor da voz” que contará com show de Márcia Mah acontece na quarta-feira, dia 22, na Sociedade Cultural e Beneficente 28 de Setembro. A entrada é gratuita e o 28 de Setembro fica na rua Machado de Assis, 112, Centro.




segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Carnaval para as crianças tem histórias e dobraduras

A programação de Carnaval para esta terça-feira (21) prossegue com atividades especiais para as crianças. Serão duas oficinas de dobraduras de máscaras para brincar a folia, dando ênfase aos animais do livro Carnaval na Floresta, da autora Rose Sordi.

A primeira oficina acontece das 9h às 10h30, e a segunda das 14h às 16h. As atividades são abertas para crianças de 7 a 12 anos que, a partir de atividades lúdicas como a contação de histórias e brincadeiras, aprenderão a fazer diversas dobraduras.

As oficinas serão ministradas pela arte educadora Paula Cristina Minatogawa e são gratuitas. Basta chegar um pouco antes do horário, pois são apenas vinte vagas.

Secom Sorocaba

Biblioteca Infantil realiza passeio histórico pelo centro de Sorocaba

As ruas de Sorocaba são fonte de muita história e riqueza cultural, social e econômica. Desde a fundação da cidade em 1654 foram muitos os episódios que influenciaram os destinos do Estado e do Brasil que passaram pela nossa cidade. Para resgatar parte dessa história, a Secretaria de Cultura e Turismo de Sorocaba, por meio da Biblioteca Infantil, está retomando os passeios culturais. Neste mês o passeio será na quarta-feira (22), das 19h às 21h, e percorrerá o centro comercial da cidade, partindo da Biblioteca Infantil na rua da Penha, descendo pela mesma via até chegar às ruas Barão do Rio Branco e Monsenhor João Soares, encerrando na Praça Dr. Ferreira Braga.

Promovido em diferentes pontos de Sorocaba e buscando destacar a história, costumes, arquitetura e curiosidades sobre o local visitado, os passeios têm atraído cada vez mais público, desde pessoas que nasceram no município como aqueles que se mudaram há pouco e desejam conhecer mais sobre a terra que escolheram para residir.

História e vivência

Desde a Fundação de Sorocaba, o Centro comercial fixou-se na atual Rua Barão do Rio Branco, então denominada Rua das Casinhas, com açougues e armazéns. Com o tempo, foi estendido às Ruas Dr. Braguinha, Monsenhor João Soares e Álvaro Soares.

O Passeio também abordará, além da criação do Boulevrd Braguinha, que em 2016 comemorou 40 anos de criação, o trabalho do engenheiro Eraldo Couto Campelo, autor do Código de Obras de 1950, onde propunha uma melhor organização do espaço urbano, reservando áreas para jardins, praças e prédios públicos.

Como se inscrever

Inscrições podem ser feitas diretamente na Biblioteca Infantil “Renato Sêneca de Sá Fleury” que está instalada na Rua da Penha, 673, Centro de Sorocaba, telefone 015 3231-5723. São apenas 30 vagas e a atividade é gratuita.

Secom Sorocaba

Biografia de Clementina de Jesus será lançada no Carnaval de Sorocaba



Quelé, a Voz da Cor, livro de autoria dos jornalistas Felipe Castro, Janaina Marquesini, Raquel Munhoz e Luana Costa, da Editora Civilização Brasileira, resgata a trajetória da menina simples de Valença e que ficou conhecida no mundo da música apenas depois dos sessenta anos. Sua docilidade, que contrastava com a imensa força da sua voz, foram os elementos principais para a composição do livro, que Janaina Marquesini e os demais autores, irão discutir em Sorocaba em evento de resgate da memória de Clementina na Sociedade Cultural e Beneficente 28 de Setembro. O lançamento do livro, que contará com a apresentação da cantora Márcia Mah, será na quarta-feira (22) a partir das 20h, com entrada franca.

O lançamento de Quelé, a Voz da Cor, faz parte da programação oficial do Carnaval de Sorocaba e tem, segundo o secretário de Cultura de Sorocaba, Werinton Kermes, importância ímpar, pois traz para o centro do debate a vida e a obra de uma das nossas maiores sambistas. “O lançamento ocorre em um ambiente histórico e de muito simbolismo que é o 28 de setembro”, destaca o secretário.

A autora Janaína Marquesini aponta a influência do secretário de Cultura de Sorocaba, Werinton Kermes, em sua obra. “Foi a partir do documentário que o Werinton produziu e dirigiu, de forma independente, em 2011, que nós nos interessamos em ampliar e prosseguir no resgate de informações sobre a vida e a obra de Clementina. Nesse sentido, Werinton foi pioneiro e influenciou muito o nosso trabalho”, destaca.

A cantora Márcia Mah se apresentará cantando as obras consagradas pela sambista carioca, intercalando a apresentação e o debate sobre a obra de Clementina.

O 28 de Setembro fica na rua Machado de Assis, 112, Centro de Sorocaba.



Sobre Clementina de Jesus:



A leveza no olhar e o sorriso expansivo, de ponta a outra do rosto, sempre foram marcas de Clementina de Jesus, assim como a voz forte, marcante dessa negra do início do século e cantora de pulmão cheio. Nascida em 1901 em Valença, pequena cidade do estado do Rio de Janeiro, Clementina se mudaria, logo aos oito anos, para a capital junto com a família. De Valença ao bairro de Osvaldo Cruz, berço da escola de samba Portela, e onde a menina começou a cantar, o universo do samba tomou conta rapidamente de Clementina.

Tendo se casado em 1940, e até então desconhecida no mundo do samba, Clementina mudou com o marido para a Mangueira, outro clássico reduto da música carioca, tendo passado vinte anos da sua vida trabalhando como doméstica. Em 1963 foi descoberta pelo maestro Hermínio Bello de Carvalho, que a alçou à condição de estrela do espetáculo ‘Rosas de Ouro’, junto com os então músicos iniciantes Paulinho da Viola e Nelson Sargento.

Dois anos depois a sambista seria o destaque em apresentações no I Festival Mundial de Artes Negras em Senegal e no Festival de Cannes, na França.

Sua importância para o samba brasileiro é tão grande que, em vida, recebeu dos colegas de ofício o título de rainha do partido alto, ou rainha ginga e causou uma intensa fascinação em variados artistas da MPB. Gente tão diferente como Alceu Valença, Milton Nascimento e João Bosco, que registraram sua voz em seus álbuns. Sem ser uma figura de grande vendagem, sua presença de palco era impressionante. Sobre ela, Paulinho da Viola chegou a afirmar “parece que flutuava, a voz te trazendo pra realidade, mas o corpo flainando”.

A cantora faleceria aos 86 anos em Inhaúma, Rio de Janeiro, em 19 de julho de 1987, vítima de um derrame, deixando poucos registros, o que torna o livro Quelé, a voz da cor, ainda mais importante.

Secom Sorocaba

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Carnaval 2017 - Carnaval da Família


17 de fevereiro – sexta-feira
·         Grito de Carnaval no Lar São Vicente de Paula (Carnaval sem Barreiras), a partir das 14h com o Trio Los Angeles e oficina de confecção de máscaras. O Lar São Vicente de Paula está localizado na Avenida Betania, 1255 - Jardim Betania.
·         Samba de Mercado traz uma Roda de Samba de Raiz no Mercado Municipal, a partir das 19h00 com Projeto Semente do Samba e aconvidada da noite será a cantora paulistana Eliana de Lima, que foi puxadora de diversas escolas de samba nas grandes escolas da capital. O Mercado Municipal fica na Rua Padre Luiz, 82 - Centro.
18 de fevereiro – sábado
·         Samba de Mercado traz uma Roda de Samba de Raiz no Mercado Distrital, a partir das 20h00 com Projeto Panela do Samba e oconvidado da noite será o músico Biro do Cavaco que possui um histórico de muitos sucessos na sua carreira, como por exemplo a músicaJessicaO Mercado Distrital fica na Rua Benedito Galdino de Barros, Jardim Brasilândia.
21 de fevereiro- terça feira
·         Oficina de Dobradura de Máscaras, na Biblioteca Infantil Municipal, Rua da Penha, 673 - Centro, das 14h ás 16h.
22 de fevereiro – quarta-feira
·         Exposição Fotográfica: com imagens coletadas nos antigos carnavais de rua e salões de Sorocaba pelo fotografo Rogich Vieira, na Biblioteca Municipal, das 8h00 às 17h00.
23 de fevereiro – quinta-feira
·         Samba de Feira com a presença das Baterias da Escolas de Samba (a definir). A Feira Livre da Vila Leão será o espaço do Carnaval, das 10h às 11h. A feira livre fica na Rua Francisca Ferreira Leão e Rua da Penha.
·         Contação de Histórias (Carnaval sem Barreiras) para os familiares e pacientes do Hospital do GPACI, das 14h às 17h, R. Cel. José Pedro de Oliveira, 678 - Jardim Faculdade.
24 de fevereiro – sexta-feira
·         Samba na Praça - o esquenta será na Praça Cel. Fernando Prestes e depois os sambistas irão para a Rua Barão do Rio Branco e Boulevard Braguinha, das 10h às 12h, contagiando todas as pessoas com a alegria do Carnaval.
·         Samba de Feira - com a presenca das Baterias da Escolas de Samba (a definir). A Feira Livre da Árvore Grande será o espaço do Carnaval,das 10h às 11h. A feira livre fica na Rua Prof Fonseca Jr.
·         Carnaval no Lar São Vicente de Paula (Carnaval sem Barreiras) com a seguinte programação: das 9h00 às 11h00 será realizada uma Oficina de Colares e Máscaras com os moradores do Lar e das 14h00 as 16h00 o Baile de Carnaval com animação e muitas marchinhas carnavalescas.
·         Baile da Melhor Idade - uma banda especializada em Marchinhas Carnavalescas vai animar a todos à partir das 16 horas, no Parque dos Espanhóis, R. Campos Sales, s/n, Vila Assis.
25 de fevereiro – sábado
·         Grupo Musical Entre Amigos - apresentarão um repertório centrado no Chorinho na Biblioteca Municipal Infantil, das 10h às 12h, R. da Penha, 673 - Centro
·         Samba de Feira - com a presença das Baterias das Escolas de Samba (a definir). A Feira Livre da Vila Santana será o espaço do Carnaval, das 10h às 11h. A feira livre fica na Rua Souza Moraes.
·         Rock Folia - é a opção para quem não aprecia muito as atividades carnavalescas. O Teatro de Arena, localizado no Paço Municipal, vai ser palco de 5 bandas de rock bem conhecidas pelo público da cidade. O evento, que acontecerá das 16h às 21h, tem a intenção de relembrar o famoso festival "De Olho no Som". O Paço Municipal fica na Av. Eng. Carlos Reinaldo Mendes, 3041
·         Trio Elétrico no Éden vai animar a polulação do bairro com banda e DJ, das 14h às 17h. Praça Portal do Éden - R. Bonifácio de Oliveira Cassú.
·         Carnaval na Vila Dignidade (Carnaval sem Barreiras) será realizada uma Oficina de Colares e Máscaras e um Baile de Carnaval comanimação e muitas marchinhas carnavalescas, das 14h às 17h.


·         Ensaio Geral: passagem de som pelas escolas de samba no Parque das Águas, a partir das 15h.
26 de fevereiro – domingo
·         Bloco dos Pets vai acontecer na Pista de Caminhada Campolimàs 9h. Haverá um desfile e premiação com medalha para os pets mais criativas e apresentação do músico sorocabano Eraldo Basso.
·         Samba de Feira - com a presença das Baterias das Escolas de Samba (a definir) a feira da Vila Angélica será o espaço do Carnaval, das 10h às 12h. A feira livre fica na Avenida Angélica, Vila Angélica.
·         Trio Elétrico em Brigadeiro Tobias vai animar a polulação do bairro com banda e DJ, das 14h às 17h, Praça Alberto Sarti
·         Defile de Corso - o Carrasqueiro Clube irá abrir o desfile das Escolas de Samba exibindo uma coleção de automoveis antigos de diversas marcas e modelos, às 16h45, no Parque das Águas, com a Corte do Carnaval de 2017.
·         Desfile das Escolas de Samba - em atendimento a solicitação da LISOES - Liga Sorocabana das Escolas de Samba, a Prefeitura de Sorocaba irá oferecer a infraestrutura necessária para a realização do desfile de rua, que conta com o apoio da Policia Militar, Corpo de Bombeiros e Guarda Civil de Municipal. O desfile será realizado pela LISOES no Parque das Águas, a partir das 17h00, com a participação de dez Escolas.
27 de fevereiro – segunda-feira
·         Trio Elétrico no Parque Vitória Régia vai animar a polulação do bairro com banda e DJ, das 14h às 17h, no Parque Amadeo Franciulli.
28 de fevereiro – terça-feira
·         Retiro Cultural de Carnaval será composta por atividades para quem quer fugir dos eventos carnavalescos. Diversas atividades zen e culturais irão entreter quem visitar o Parque da Água Vermelha, das 10h às 16h, R. Romania, 150 - Jardim Europa.
·         Matinê com Oficina de Dobradura de Máscaras, Banda e Marchinha Carnavalesca
no Parque dos Espanhóis, R. Campos Sales, s/n - Vila Assis, das 14h às 17h.
·         Trio Elétrico no Jardim Santa Bárbara vai animar a polulação do bairro com banda e DJ, das 14h às 17h, na Pista de Caminhada.